Semana de Acolhida de 06 a 10/08/2018

Atualmentevivemos numa época em que a desintegração dos valores são os maiores obstáculos para o ser humano. Valores como solidariedade, amor , amizade, cuidado, união e cidadania estão sendo deixados muitas vezes de fora da formação dos indivíduos. Nesse sentido, como um serviço de proteção social básica não podíamos deixar de realizar uma semana de integração, utilizando a Convivência como base para o desenvolvimento.

Iniciamos a Semana de Acolhida com café da manhã diferenciado e o mesmo ocorreu à tarde. O tema gerador: Casa Comum – Consciência, Proteção e Mudança, foi retomado para início das atividades. Um vídeo foi apresentado com o Tema ” O PLANETA PEDI SOCORRO”, seguido de uma discussão. Após, os educandos foram divididos em 04 grupos com a dinâmica “Quem Sou? ” (Uma caixa surpresa com os nomes dos educandos – um tirava o nome do outro e deveriam falar quem era a pessoa pega) e assim as equipes se formaram, quem não se lembrava do outro se apresentava.

Foram retiradas da mesma caixa o nome do tema e linguagem a ser desenvolvida: 1ª equipe: Casa Comum (cartazes), 2ª equipe: Consciência (vídeo), 3ª equipe: Proteção (música/dança), 4ª equipe: mudança (teatro). As apresentações aconteceram na quarta-feira.

No dia seguinte, foram apresentados os planejamentos (todos os projetos) do 2º semestre/2018 aos educandos e encerramos a semana com o tão esperado Dia Livre.

20180806_140833 20180806_143156 20180806_143322 20180806_143645 20180806_144609 20180807_091937 20180807_145748 20180808_102205 20180808_102810 20180808_103326 20180808_105122 20180808_105954 20180808_110015 20180808_160139 20180809_094210

Oficina Sustentabilidade e Nutrição

Sustentabilidade:

Essa palavra aparece todos os dias para nós e com a parceria da nossa nutricionista Marta aprendemos um pouco mais sobre a importância do reaproveitamento de alimentos e da água e  para não deixar passar batido fomos colocar tudo em prática fazendo biscoitos de casca de goiaba!

Ficou uma delícia!

 

Faça Bonito! Dia de combate ao abuso e a exploração sexual infantil

VOCÊ SABIA?

O Disque-Denúncia para casos de violência contra crianças e adolescentes atende pelo número 100. A ligação é gratuita, anônima e pode ser feita de qualquer telefone. É um serviço da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR), destinado a receber denúncias relativas a violações de direitos humanos, não só de crianças e adolescentes.

 

 

 

Em 2014, foram registradas 91.342 denúncias de violações de direitos de crianças e adolescentes. O número de denúncias não corresponde ao número de casos de fato constatados, mas dá uma ideia do tamanho do problema. Além disso, a evolução no número de denúncias pode indicar uma maior conscientização acerca do tema, o que é positivo.

Semelhante a 2013, dos 13 tipos de violações registradas pelo Disque-Denúncia em 2014, a violência sexual ocupa o 4º lugar:

Tipo de Violência 2013 2014

Negligência

73%

74%

Violência psicológica

50%

49%

Violência física

43%

43%

Violência Sexual

26%

25%

Normalmente, quando ocorre a violência sexual, outros direitos também foram violados. Ou seja, a criança ou o adolescente já foram negligenciados e possivelmente passaram por episódios de violência física e psicológica.

Sobre as vítimas:

A Maior parte das vítimas

Ano

Meninas

Meninos

Não informados

2011

55%

40%

5%

2012

50%

38%

12%

2013

48%

38%

14%

2014

47%

38%

15%

A faixa etária mais frequente é de 8 a 14 anos.

Ano

0-7

8-14

15-17

2011

33%

46%

15%

2012

31%

42%

15%

2013

33%

40%

15%

2014

34%

40%

13%

Sobre Suspeitos e locais:

Ano

Grupo Familiar

Casa da vítima ou do suspeito

2011

62%

77%

2012

68%

69%

2013

65%

69%

2014

65%

72%

Evolução das denúncias

Ano

Total de Denúncias

% das denúncias de Violência Sexual

2011

82.117

35%

2012

130.029

29%

2013

124.079

26%

2014

91.342

25%

Com relação às denúncias sobre violência sexual, desde 2011, a média referente ao abuso corresponde a 75%. Veja abaixo uma distribuição das denúncias de violência sexual:

Ano

Total de denúncias de Violência Sexual

% de abuso

% de exploração

2011

10.699

75%

25%

2012

40.699

78%

22%

2013

35.691

75%

25%

2014

25.595

75%

25%

Desde 2011, os estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia lideram o numero total de denúncias:

Número de denúncias por estado

Ano

2011

2012

2013

2014

SP

13%

12%

14.5%

19%

RJ

11.1%

11.9%

12.6%

11%

BA

11.4%

11.2%

9%

8%

Dados do Ministério da Saúde

Dados coletados em unidades de saúde em 2011 revelaram 14.625 notificações de violência doméstica, sexual, física e outras agressões contra crianças menores de dez anos. A violência sexual contra crianças até nove anos representa 35% das notificações

Dados da Polícia Rodoviária Federal

Em mapeamento de pontos vulneráveis pra a exploração sexual de crianças e adolescentes nas Rodovias Federais – realizado pela Polícia Rodoviária Federal em 2013-2014 – foram identificados 1.969 pontos vulneráveis em rodovias federais de todo o Brasil. Deste total, 29% são considerados pontos críticos.

Veja a evolução dos pontos identificados como vulneráveis à exploração sexual nas rodovias brasileiras e a respectiva proporção de pontos críticos.

Ano

Número total de pontos

Proporção de pontos críticos

2009-2010

1.820

51%

2011-2012

1.776

39%

2013-2014

1.969

29%

Pontos vulneráveis são ambientes ou estabelecimentos onde os agentes da polícia rodoviária federal encontram algumas das características que propiciam condições favoráveis à exploração sexual de crianças e adolescentes (presença de adultos se prostituindo, inexistência de iluminação, ausência de vigilância privada, locais costumeiros de parada de veículos e consumo de bebida alcoólica). Os pontos críticos são aqueles que reúnem todas essas características associadas e são, portanto, mais vulneráveis para que a exploração sexual ocorra nesses lugares.

Fonte: Childhood Brasil – http://www.childhood.org.br/numeros-da-causa

 

Aqui no CECAPAS Sapopemba estamos fazendo a nossa parte.

Informação e Consciência.

Não tire essa ideia da cabeça.

Abuso e exploração sexual infantil é crime. Denuncie!